11/07/11

A discriminação contra as religiões de matrizes africanas (11-07-2011)




do site www.eutenhofe.org.br

A Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR) participou, na noite de segunda-feira, 04 de julho, do debate “A discriminação contra as religiões de matrizes africanas”. O encontro foi promovido pelo mandato do deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ). O evento aconteceu no Luso Brasileiro, em Campo Grande, com a presença de diversos sacerdotes, sacerdotisas e adeptos das religiões de matrizes africanas. O percussionista Marcio Barra Vento e seus alunos abriram a reunião com uma apresentação de cânticos religiosos ao som de atabaques.

“Nós temos feito um trabalho muito grande de respeito, reconhecimento e auto-estima do nosso povo. A comissão agrega várias religiões, mas foi fundada por umbandistas e candomblecistas. Criamos uma agenda para discussão do tema no País. Conseguimos aliança com diversos setores da sociedade. As religiões de matrizes africanas precisam criar uma bancada que garantam os seus direitos”, afirmou o interlocutor da CCIR, babalawo Ivanir dos Santos.

O deputado Jean Wyllys falou da dificuldade enfrentada no legislativo. “Estamos encontrando muita dificuldade para montar uma frente parlamentar das religiões de matrizes africanas. Tenho recebido várias denúncias de intolerância religiosa. Nosso Estado é laico, e todos têm o direito de professar sua fé”, ressaltou.

“Para mim é uma honra dividir a mesa com sacerdotes e sacerdotisas. As religiões de matrizes africanas sempre sofreram preconceito. Há uma campanha discriminatória. Estamos vendo programas de TV de religiões fundamentalistas demonizarem as religiões de matrizes africanas. O Objetivo desse evento é nos articular”, ressaltou Wyllys.

“Nós temos uma grande concorrente que se chama Igreja Universal do Reino de Deus. Eles têm um conglomerado imenso de comunicação. Nós precisamos ter meios de comunicação para divulgar nossa religião e conquistar a igualdade”, afirmou o babalorixá, editor-chefe da Revista Odara e do Portal Agen Afro, Yango de Obaluaê.

Vários sacerdotes e representantes da CCIR estavam presentes no local. Entre eles, Inês de Iansã, Renato de Obaluaê e Jorge de Ogun Já.

O babalawo Ivanir dos Santos distribuiu material de divulgação e convidou todos para “4ª Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa”.

Comissão de Combate à Intolerância Religiosa
Ricardo Rubim – Coordenador de Comunicação CCIR/RJ
Tel.: 21 7846-0412 / 21 2273-3974


Compartilhe:
Share on Google+